• Bem-vinda, Sofia!

  • Filha

  • 101 coisas em 1001 dias – 4 ª Edição

  • Sofia vem aí!

  • Metas 2021 | Voltei!

30/03

o projeto acabou.

ontem completei meu projeto de 101 coisas para fazer em 1001 dias. fiquei feliz. pra caramba.

completei 69 itens de 101 e pra mim, foi até mais do que eu imaginei completar. sou uma fã de listas, fã de metas pessoais e fã de experimentar tudo quanto é coisa nova que possa surgir pra mim.

como amo tudo isso, claro que vou renovar meus votos e criar uma lista novinha de novo. com novos desejos, novas experiências que quero viver e já publico aqui. prometo a você.

olha só o que eu consegui concluir!

 

 

Jaqueline
Oi, eu sou a Jaqueline, mas pode me chamar de Jaque! Tenho 26 anos, sou formada em Administração de Empresas, apaixonada por livros e a louca da fotografia.Adoro dias frios, seriados (♥) e a combinação dos dois também. É aqui que compartilho meus sonhos, minhas alegrias e minhas incertezas. Esse é meu mundo na internet, espero que goste!
Um breve balanço #3
1 mês em 1 post – Janeiro
O blog voltou!

03/02

confusão

Eu nunca me senti inteira com ninguém antes. Até que um dia a gente se encontrou. O nosso primeiro papo foi sobre um livro infantil que fez muito sucesso nas palavras da minha amada Jout Jout. O livro falava exatamente sobre o que a gente estava vivendo. Sobre a nossa busca incessante em encontrar alguém que completasse a gente. Eu me lembro bem que você se apaixonou pela história, assim como eu me apaixonei. A gente tinha entendido ali que éramos completos, sem precisar de uma outra “metade” pra nos completar. Nós refletimos enquanto andávamos de carro sem rumo por aí e você me tocou de um jeito que ninguém nunca fez. Foi ali naquela conversa que eu me senti inteira, sem ter tido alguém pra se encaixar em mim.

Eu havia terminado um relacionamento há alguns meses e você também. Estava desacreditada em mim e em todos as pessoas do mundo. Eu queria esquecer e ao mesmo tempo queria alguém pra me tirar da fossa e me amar como se nunca houvesse amanhã. Naquela conversa você me abriu pro mundo, disse que eu não precisava de alguém pra me fazer feliz, que eu precisava de mim na real. E eu fui me amar.

A cada conversa, a cada sorriso e a cada música cantada, você me ensinou que eu era incrível por dentro e por fora. Você me fez não ter medo de mostrar o quanto eu sou emoção. O quanto eu sinto. O quanto eu sinto demais. E que não era problema ser assim. Não era problema.

Foi aí que eu me apaixonei. Sim. Foi bem aí. No momento que você me ajudou a ser quem eu gostaria de ser. A pessoa dona de mim, das minhas emoções e da minha personalidade de leonina, rs. Foi aí que você me ganhou.

Respiração ofegante e um silêncio gostoso quando a gente acabava o sexo ali no meu sofá. Você sorria, por ter me feito chegar lá e eu sorria por você ter esse sorriso tão doce e safado ao mesmo tempo. O nosso sexo era diferente de todos os outros, era intenso, era quente e ao mesmo tempo era suave e cheio de energia. Como eu amava olhar nos teus olhos e te fazer sussurrar o quanto eu era linda. A gente se encaixou de um jeito inimaginável. A gente se encaixou na cama e na vida.

Seu pensamento tão parecido com o meu. Nossos sentimentos tão intensos. Eu já não era só minha. Eu era sua e nem sabia. Nem sabia. Ah, se eu soubesse naquela época. O quanto você era especial pra mim. Eu me perdi, perdi. Me perdi de mim de novo. E os nossos encontros diminuíram. Eu deixei que você se afastasse.

Confusão, confusão. Eu era confusão. Queria você e não tinha coragem de querer você. Queria a tua voz no meu ouvido cantando AnaVitória enquanto eu lia um livro qualquer. Queria meu fogão sendo usado por você enquanto eu tomava um vinho na sala. Queria abrir as portas do meu coração pra você entrar. Eu queria teu amor, tua companhia, tu.

Eu não falei. Não falei. Eu me calei. Fingi que não quis, pra não me apegar de novo. Não sofrer de novo, não amar de novo. Você era paz no meu caos, era o sorriso no meu interior que estava triste. Era bobo quando eu precisava de um puxão de orelha. Mas eu não me toquei que os nossos momentos estavam deixando de ser os mesmos. Que nossas vidas teriam que seguir por caminhos diferentes. Que a gente não estava na mesma página. Ah como eu queria estar na mesma página que você.

E você voou, como se nunca tivesse pousado em mim. Como se não tivesse mexido no meu coração de pedra e deixado uma flor florescendo. Você foi e não voltou mais.

Ainda lembro das músicas, dos vinhos, da vida com você. Mesmo que o nosso tempo aqui tenha durado pouco, eu sei que você continua sendo aquele garoto que conheci e que me apaixonei pela sensibilidade. Pelo brilho nos olhos e pela paixão pela vida. Eu espero que você tenha a melhor vida e o amor que você sempre sonhou.

É assim que a gente espera que a pessoa que a gente gosta fique. Obrigada por ter me ensinado tanto. Eu devo tanto. Tanto!

Mas quem sabe, a gente se encontra de novo.

Jaqueline
Oi, eu sou a Jaqueline, mas pode me chamar de Jaque! Tenho 26 anos, sou formada em Administração de Empresas, apaixonada por livros e a louca da fotografia.Adoro dias frios, seriados (♥) e a combinação dos dois também. É aqui que compartilho meus sonhos, minhas alegrias e minhas incertezas. Esse é meu mundo na internet, espero que goste!
Foi-se o tempo
Isso é raro.
Quando o tempo ensina

17/12

Metas de 2019!

Todos os anos, sem exceção, faço as minhas metas do ano seguinte e coloco aqui no blog pra compartilhar com quem me acompanha. Esse ano as minhas metas cresceram e a vontade de realiza-las também. Olha só:

  1. Viajar para dois lugares diferentes;
  2. Ir a academia ou fazer exercícios com frequência;
  3. Fazer uma pós graduação ou um curso técnico;
  4. Comprar um macbook;
  5. Diminuir o uso do celular;
  6. Terminar de montar meu guarda roupas, com meu estilo;
  7. Terminar de decorar meu apartamento;
  8. Deixar o cabelo crescer muito;
  9. Montar minha estante de livros;
  10. Produzir menos lixo e consumir consciente;
  11. Organizar minha vida financeira;
  12. Cozinhar mais em casa;
  13. Fotografar mais em casa;
  14. Ser mais eu, me descobrir sem ninguém como influência.

Realizados:

11/14

Jaqueline
Oi, eu sou a Jaqueline, mas pode me chamar de Jaque! Tenho 26 anos, sou formada em Administração de Empresas, apaixonada por livros e a louca da fotografia.Adoro dias frios, seriados (♥) e a combinação dos dois também. É aqui que compartilho meus sonhos, minhas alegrias e minhas incertezas. Esse é meu mundo na internet, espero que goste!
5 livros que (ainda) quero ler em 2015
10 fatos curiosos sobre mim
Desafio Literário: 50 livros para ler em 2015

30/09

“preferia liso”

Quantas vezes escutei isso nos últimos anos. Quantas vezes me disseram o que era melhor para o meu cabelo, quantas vezes eu ignorei completamente. Quantas vezes eu alisei depois de escutar isso?

A transição capilar me ensinou tanto! Me ensinou a ser feliz mesmo quando meu cabelo parecia ter passado por um furacão. Porque ele teria passado pelo furacão cacheado e saído dele CACHEADO. Olha que coisa boa, não ter que me preocupar se vai chover ou se eu terei que entrar em uma piscina com algum desconhecido e mostrar que na verdade aquele cabelo que ele viu antes, não é nada do que ele verá depois do banho.

Decidi entrar na transição capilar depois que meu ex namorado falou que meu cabelo cacheado era bonito e que eu poderia pensar em usar mais ele assim. Foi a força que faltava pra mim. Foi aí que eu finalmente tomei coragem e decidi conhecer meu cabelo.

O que me deu força pra continuar durante todo esse tempo foi uma coisa muito importante: não me importar com o que ninguém falava pra mim. Podia tá o uó. Mas eu iria acabar essa transição e descobrir de fato o que meu cabelo era. E to assim até hoje.

Tô no final da transição e vou te dizer: Que orgulho! Meu cabelo ainda tem parte lisa, tem parte muito cacheada e tem umas partezinhas onduladas. É uma mistura. E eu aceito. Todos os dias.

Se no fim eu não gostar do resultado, vamos ver o que vai rolar. Só sei que além de gostar dele natural, ele ficou 1000 vezes mais saudável e parou de cair como antes. Sabe a sensação de “porque eu não fiz isso antes?”, tenho ela sempre.

Mas nem tudo são flores. Ia ser lindo se fosse, mas as coisas também saem de controle. As pessoas também conseguem ser malvadas ou até mesmo “ingênuas” demais em suas opiniões. Principalmente no começo da minha transição o que eu mais ouvia falar era o famoso “preferia liso”, ou até o “cê não arrumou o cabelo hoje não?”. Típico.

Era nessas horas que eu queria desaparecer ou só escovar tudo de novo e fingir que nada aconteceu. Que eu não mostrei esse cabelo para mais pessoas e que ninguém chegou a comentar nada disso comigo. Mas eu dei a minha volta por cima de todas as formas. Eu realmente dizia todos os dias que seria melhor no dia seguinte, que meu cabelo não ia ficar tão horripilante e que as pessoas não iriam mais falar. Mas continuou acontecendo, e acontecendo. Durante meses.

Eu resolvi tudo isso conversando. Conversando com cada uma dessas pessoas. Falando o que eu estava fazendo, o momento que eu estava passando e falando que eu contava com o apoio dela no intuito de entender o processo. E deu tudo certo.

Hoje eu me sinto tão bem! Com meu cabelo liso, definido, indefinido, cacheado, no coque pra disfarçar ou só solto fuá, que eu amo amo amo.

Esse processo me ajudou a me conhecer, a conhecer meus limites e a entender que a aparência até conta as vezes, mas só se a gente estiver feliz. 


Dica: Assistam, por favor “A felicidade por um fio” e entendam um pouco do que é o universo de muitas cacheadas/crespas e porque o padrão do mundo é completamente fora do que é nossa realidade.

Jaqueline
Oi, eu sou a Jaqueline, mas pode me chamar de Jaque! Tenho 26 anos, sou formada em Administração de Empresas, apaixonada por livros e a louca da fotografia.Adoro dias frios, seriados (♥) e a combinação dos dois também. É aqui que compartilho meus sonhos, minhas alegrias e minhas incertezas. Esse é meu mundo na internet, espero que goste!
7 coisas…
Bem vindo, Lucas!
14 Coisas Para Fazer em 2014

Página 6 de 110
«1 ...2345678910... 110››